Fundamentos físicos e técnicos

Uma explosão é uma reação química súbita de uma substância combustível com oxigénio que liberta muita energia. Essas substâncias combustíveis podem ser: gases, névoas, vapores ou poeiras. Só pode haver uma explosão quando há uma conjugação de três fatores: uma substância combustível (em distribuição e concentração correspondentes), oxigénio (no ar) e uma fonte de ignição (por exemplo, faísca elétrica).

É preciso, pois, evitar a ignição ou reduzir o efeito de uma explosão para um nível inofensivo. Para esse fim, todos os equipamentos utilizados em áreas potencialmente explosivas têm que ser construídos, produzidos e marcados conforme as prescrições aplicáveis (Diretiva de Produto ATEX 2014/34/UE, regulamentos da IECEx, etc.). A classificação dos aparelhos por grupos e categorias conforme as diretivas de produto ATEX ou em EPL segundo os padrões IECEx resulta da sua área de utilização ou do nível de segurança das medidas de proteção e da frequência de ocorrência de uma atmosfera explosiva. Neste caso, tem que ser considerado o maior potencial possível de perigo.

Em áreas em que possam ocorrer atmosferas explosivas apesar de todas as medidas para as evitar, só podem ser utilizados equipamentos com proteção antideflagrante. Esses equipamentos são construídos segundo as disposições de construção correspondentes (série de normas IEC/EN 60079 e série de normas ISO 80079-36/EN ISO 80079-36) em diversas classes de proteção contra ignição. A classe de proteção contra ignição aplicada pelo fabricante depende do tipo e função do aparelho. Todas as classes de proteção contra ignição normalizadas dentro de uma categoria são equivalentes O fabricante confirma na declaração de conformidade UE contida na documentação técnica que o produto cumpre as diretivas da ATEX.

No que diz respeito à marcação exata dos equipamentos elétricos e não elétricos pode fazer o download de uma folha de informação bem como de um poster de vista geral Competência em técnica de pontes rolantes com proteção antideflagrante.

Proteção antideflagrante integrada

  • Gráfico sobre o princípio da proteção antideflagrante integrada

    O princípio da proteção antideflagrante integrada requer que todas as medidas de proteção antideflagrante sejam tomadas numa sequência estabelecida. Distingue-se entre medidas de proteção (construtiva) primárias, secundárias e terciárias.

Divisão por zonas

Segundo as definições do decreto sobre substâncias perigosas (GefStoffV) áreas potencialmente explosivas estão divididas por zonas, para facilitar a escolha de instalações elétricas e aparelhos apropriados. A divisão por zonas indica a probabilidade de ocorrência de uma atmosfera explosiva.

  • Gráfico de uma divisão por zonas no caso de gás, névoa ou vapores da zona 0, zona 1 e zona 2

    Gases

    Zona 0: Área onde existe permanentemente, durante longos períodos de tempo ou com frequência, uma atmosfera perigosa, explosiva, constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa.
    Zona 1: Área onde é provável, em condições normais de funcionamento, a formação ocasional de uma atmosfera perigosa, explosiva, constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa.
    Zona 2: Área onde não é provável, em condições normais de funcionamento, a formação de uma atmosfera perigosa, explosiva, constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa, ou onde essa formação, caso se verifique, seja de curta duração.

  • Gráfico de uma divisão por zonas no caso de poeiras da zona 20, zona 21 e zona 22

    Poeiras

    Zona 20: Área onde existe permanentemente, durante longos períodos de tempo ou com frequência uma atmosfera perigosa, explosiva, sob a forma de uma nuvem de poeira combustível.
    Zona 21: Área onde é provável, em condições normais de funcionamento, a formação ocasional de uma atmosfera perigosa, explosiva, sob a forma de uma nuvem de poeira combustível.
    Zona 22: Área onde não é provável, em condições normais de funcionamento, a formação de uma atmosfera perigosa, explosiva, sob a forma de uma nuvem de poeira combustível, ou onde essa formação, caso se verifique, seja de curta duração.

Classes de proteção contra ignição para aparelhos elétricos

  • Dez símbolos de classes de proteção contra ignição para aparelhos elétricos em áreas potencialmente explosivas

    Vista geral das classes de proteção contra ignição

    Requisitos gerais em termos de construção, teste e marcação de componentes e aparelhos elétricos.

    • Norma: IEC 60079-0 | EN 60079-0 | UL 60079-0
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: segurança aumentada “e”

    Segurança aumentada “e“

    Medidas tomadas para, com um grau de segurança aumentada, impedir a ocorrência de altas temperaturas inadmissíveis e a geração de faíscas e arcos voltaicos no interior ou em partes externas de equipamento elétrico onde elas não ocorrem em condições normais de funcionamento.

    • Símbolo: e, eb – zona 1 | ec – zona 2
    • Norma: IEC 60079-7 | EN 60079-7 | UL 60079-7
    • Aplicação principal: bornes e caixas de terminais, caixas de comando para a montagem de componentes antideflagrantes (protegidos com outra classe de proteção contra ignição), motores em gaiola de esquilo, lâmpadas, materiais de instalação, balastros indutivos, transformadores
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: envolvente antideflagrante “d”

    Envolvente antideflagrante “d”

    Partes que podem inflamar uma atmosfera explosiva são fechadas num invólucro que resiste à pressão desenvolvida numa explosão interna duma mistura explosiva e que impede a transmissão da explosão à atmosfera envolvente do invólucro.

    • Símbolo: da – zona 0 | d, db – zona 1 | dc – zona 2
    • Norma: IEC 60079-1 | EN 60079-1 | UL 60079-1
    • Aplicação principal: aparelhos de comutação e instalações de distribuição elétrica, dispositivos de comando e indicadores, comandos, motores, transformadores, aparelhos de aquecimento, lâmpadas, resistores variáveis
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: invólucro de sobrepressão interna “p”

    Invólucro de sobrepressão interna “p”

    A formação de uma atmosfera explosiva no interior de um invólucro é impedida por um gás de proteção contra ignição que mantém a pressão interior superior à da atmosfera envolvente e, caso necessário, o interior do invólucro é permanentemente abastecido de gás de proteção contra ignição para diluir a mistura combustível.

    • Símbolo: px, pxb – zona 1, zona 21 | py, pyb – zona 1, zona 21 | pz, pzc – zona 2, zona 22
    • Norma: IEC 60079-2 | EN 60079-2 | UL 60079-2
    • Aplicação principal: armários de distribuição e de comando, aparelhos de análise, grandes motores, motores de anéis coletores e motores coletores
    • Antigos símbolos para poeira: pD21, pD22
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: Segurança intrínseca “i”

    Segurança intrínseca “i”

    Os equipamentos utilizados em áreas potencialmente explosivas possuem apenas circuitos de corrente intrinsecamente seguros. Um circuito de corrente é intrinsecamente seguro quando não ocorrem faíscas ou efeitos térmicos que, sob condições de teste definidas (que abrangem as condições normais de funcionamento e determinadas condições de falha), podem causar a inflamação de uma determinada atmosfera explosiva.

    • Símbolo: ia – zona 0, zona 20 | ib – zona 1, zona 21 | ic – zona 2, zona 22
    • Norma: IEC 60079-11 | EN 60079-11 | UL 60079-11
      Sistemas intrinsecamente seguros IEC 60079-25 | EN 60079-25 | UL 60079-25
    • Aplicação principal: técnica de medição e de regulação, técnica de comunicação, sensores, atuadores
    • [Ex ib] = equipamento elétrico correspondente – instalação em área segura
    • Antigos símbolos para poeira: iaD = utilização na zona 20, zona 21, zona 22 | ibD = utilização na zona 21, zona 22
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: imersão em óleo “o“

    Imersão em óleo “o“

    Equipamentos elétricos ou partes de equipamentos elétricos são imersos num líquido protetor (por exemplo, óleo) de modo a que uma atmosfera explosiva acima da superfície ou fora do invólucro não possa ser inflamada.

    • Símbolo: o, ob – zona 1 | oc – zona 2
    • Norma: IEC 60079-6 | EN 60079-6 | UL 60079-6
    • Aplicação principal: sensores, dispositivos indicadores, balastros eletrónicos, transmissores, transformadores, condensadores, caixas de terminais de condutores de aquecimento
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: Imersão em pó “q“

    Imersão em pó “q“

    Por meio do enchimento do invólucro de um equipamento elétrico com um pó de grão fino evita-se que, utilizando conforme as disposições, uma atmosfera explosiva envolvendo o invólucro seja inflamada por um arco voltaico gerado no interior do invólucro. Não pode haver ignição por meio de chamas nem resultante de temperaturas elevadas na superfície do invólucro.

    • Símbolo: q, qb – zona 1
    • Norma: IEC 60079-5 | EN 60079-5 | UL 60079-5
    • Aplicação principal: sensores, dispositivos indicadores, balastros eletrónicos, transmissores, transformadores, condensadores, caixas de terminais de condutores de aquecimento
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: encapsulado “m”

    Encapsulado “m”

    Partes que podem inflamar uma atmosfera explosiva são inseridas em massa de enchimento, de maneira que a atmosfera explosiva não pode ser inflamada.

    • Símbolo: ma – zona 0, zona 20 | mb – zona 1, zona 21 | mc – zona 2, zona 22
    • Norma: IEC 60079-18 | EN 60079-18 | UL 60079-18
    • Aplicação principal: aparelhos de comutação para baixas potências, dispositivos de comando e sinalização, dispositivos indicadores, sensores
    • Antigos símbolos para poeira: maD – zona 20, zona 21, zona 22 | mbD – zona 21, zona 22
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: zona 2 equipamentos “n“

    Classe de proteção contra ignição “n”

    Os equipamentos elétricos não são capazes de inflamar uma atmosfera explosiva envolvente (em condições normais de funcionamento e em condições de funcionamento definidas como anómalas)

    • Símbolo: nA, nAc – zona 2 | nC, nCc – zona 2 | nR, nRc – zona 2
    • Norma: IEC 60079-15 | EN 60079-15 | UL 60079-15
    • Aplicação principal: todos os equipamentos elétricos para a zona 2.
    • nA – equipamentos que não produzem faíscas | nC – equipamentos que produzem faíscas, nos quais os contactos estão protegidos de forma adequada | nR – invólucro de respiração restringida
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: radiação ótica “op”

    Radiação ótica “op”

    Por meio de medidas adequadas evita-se que uma radiação ótica inflame uma atmosfera explosiva.

    • Símbolo: op – zona 0, zona 20 | op – zona 1, zona 21 | zona 2, zona 22
    • Norma: IEC 60079-28 | EN 60079-28
    • Aplicação principal: op is – radiação ótica intrinsecamente segura | op pr – radiação ótica protegida | op sh – bloqueio de radiação ótica
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: proteção por invólucro “t”

    Proteção por invólucro “t”

    A estanquidade do invólucro impede a penetração de poeira ou limita a penetração de poeira a um nível inofensivo. Assim, podem montar-se equipamentos inflamáveis no invólucro. A temperatura no invólucro tem que ser limitada e não pode inflamar a atmosfera envolvente.

    • Símbolo: ta – zona 20 | tb – zona 21 | tc – zona 22
    • Norma: IEC 60079-31 | EN 60079-31 | UL 60079-31
    • Aplicação principal: aparelhos de comutação e instalações de distribuição elétrica, caixas de comando, caixas de conexão e de terminais, motores, lâmpadas
    • Símbolos antigos: tD A21 – segundo processo A para a zona 21 | tD B21 – segundo processo B para a zona 21

Classes de proteção contra ignição para aparelhos não elétricos

  • Seis símbolos de classes de proteção contra ignição para aparelhos não elétricos

    Vista geral das classes de proteção contra ignição

    Requisitos gerais em termos de construção, teste e marcação de componentes e aparelhos não elétricos.

    • Norma: ISO 80079-36 | EN ISO 80079-36
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: segurança construtiva “c”

    Segurança construtiva “c”

    Em tipos de aparelhos que, em condições normais de funcionamento, não têm fonte de ignição, são aplicados princípios técnicos com boas provas dadas, para reduzir ao mínimo o risco de falhas mecânicas que podem levar ao desenvolvimento de temperaturas de inflamação e faíscas.

    • Símbolo: hc
    • Norma: ISO 80079-37 | EN ISO 80079-37
    • Aplicação principal: embraiagens, bombas, acionamentos por rodas dentadas, acionamentos por corrente, correias transportadoras, motores de corrente contínua
    • Símbolo antigo: c conforme EN 13463-5
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: controlo de fontes de ignição “b”

    Controlo de fontes de ignição “b”

    São montados sensores no aparelho para ser possível detetar condições potencialmente perigosas e tomar contramedidas ainda numa fase inicial da perturbação. As medidas aplicadas podem ser tomadas automaticamente por meio de ligações diretas entre os sensores e o sistema de proteção de ignição ou manualmente através da emissão de um aviso para o operador do aparelho.

    • Símbolo: hb
    • Norma: ISO 80079-37 | EN ISO 80079-37
    • Aplicação principal: bombas, correias transportadoras, engrenagem, vedações com anel deslizante
    • Símbolo antigo: b conforme EN 13463-6
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: imersão em líquido “k”

    Imersão em líquido “k”

    Potenciais fontes de ignição são imersas num líquido protetor ou permanentemente humedecidas com uma película líquida de um líquido protetor de modo a evitar o efeito de ignição.

    • Símbolo: hk
    • Norma: ISO 80079-37 | EN ISO 80079-37
    • Aplicação principal: bombas submersíveis, engrenagem
    • Símbolo antigo: k conforme EN 13463-8
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: envolvente antideflagrante “d”

    Envolvente antideflagrante “d”

    Partes que podem inflamar uma atmosfera explosiva são fechadas num invólucro que resiste à pressão desenvolvida numa explosão interna duma mistura explosiva e que impede a transmissão da explosão à atmosfera explosiva envolvente do invólucro.

    • Símbolo: h
    • Norma: IEC 60079-1 | EN 60079-1
    • Aplicação principal: travões, embraiagens
    • Símbolo antigo: d conforme EN 13463-3
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: proteção por invólucro “t”

    Proteção por invólucro “t”

    A estanquidade do invólucro impede a penetração de poeira ou limita a penetração de poeira a um nível inofensivo. Assim, podem montar-se equipamentos inflamáveis no invólucro. A temperatura no invólucro tem que ser limitada e não pode inflamar a atmosfera envolvente.

    • Símbolo: h
    • Norma: IEC 60079-31 | EN 60079-31
    • Aplicação principal: aparelhos exclusivamente para áreas de potencial explosão de poeira
  • Símbolo de classe de proteção contra ignição: invólucro de sobrepressão interna “p”

    Invólucro de sobrepressão interna “p”

    A formação de uma atmosfera explosiva no interior de um invólucro é impedida por um gás de proteção contra ignição que mantém a pressão interior superior à da atmosfera envolvente. Caso necessário, o interior do invólucro é permanentemente abastecido de gás de proteção contra ignição para diluir a mistura combustível.

    • Símbolo: h
    • Norma: IEC 60079-2 | EN 60079-2
    • Aplicação principal: bombas

Download

Informação de produto

Explosion-Protected Crane Electrics

40 pages

02.2018

Cartaz

Explosion protected crane technology

80 x 60 cm

03.2017

Mais informações

Como ocorrem explosões? Como é possível evitá-las com fiabilidade? Conhecimentos fundamentais profundos dos nossos peritos.

Know-how

STAHL CraneSystems – um dos líderes mundiais de mercado em componentes de pontes rolantes e técnica de elevação com proteção antideflagrante.

 Know-how

Diferencial de cabo AS 7 Ex

Produtos com proteção antideflagrante

A gama completa de produtos com proteção antideflagrante conforme ATEX e IECEx.

 Produtos com proteção antideflagrante

Na maioria dos Estados existem prescrições de proteção, leis, diretivas e normas. A STAHL CraneSystems conhece bem a matéria.

Fundamentos legais

Requisitos de produtos de serviço para áreas potencialmente explosivas.

 Fundamentos legais

Operadores e empregadores têm deveres a cumprir para proteção dos respetivos trabalhadores. Aqui indicamos-lhe quais.

Deveres e tarefas

O operador é responsável pela segurança das instalações, bem como pela proteção das pessoas e do ambiente.

 Deveres e tarefas